Outras Cirurgias

Conheça todas as técnicas de cirurgia de obesidade.

Cirurgia Bypass intestinal

Cirurgia reversível, sem nenhuma ressecção do intestino e do mesentério. Nesta técnica a pessoa não perde o prazer de comer, já que o estômago não é operado.

 

 

 

 

Técnica Scott – anos 50 a 70

Técnica Scott Bypass Jejuno-Ileal com ressecção ampla do intestino delgado, permanecendo 36,5 cm de Jejuno e 20,3 cm de Íleo. Cirurgia irreversível.      

 

 

 

 

Payne – anos 50 a 70

Técnica Payne Bypass Jejuno-Ileal 36,5 cm Jejuno e 20,3 Ileo, sem ressecção, porém com isolamento de grande parte do intestino. Cirurgia reversível.      

 

 

 

 

Cirurgia de Mason – anos 80

Técnica Mason Septação gástrica com aplicação de anel de contenção, porém sem ressecção de estômago e nem de intestino. Cirurgia reversível.      

 

 

 

 

Cirurgia de Fobi Capela – anos 80

Técnica Fobi Capela Septação gástrica com permanência de ampulheta de 20 a 50 cm ligado à 2 metros de intestino com isolamento de 96,5% do estômago e o restante do intestino. Aplicação de anel de contenção no coto gástrico funcionante. Cirurgia reversível parcialmente.  

 

 

 

 

Cirurgia de Scopinaro I – anos 80

Ressecção de 85% a 90% do estômago ao duodeno, permanecendo de 190 a 250 cm de intestino delgado, com isolamento do restante. Cirurgia irreversível.      

 

 

 

 

Cirurgia de Scopinaro II – anos 80

 

Técnica SCopinaro II Ressecção de 85% a 90% do estômago ao duodeno, permanecendo 250 cm de intestino delgado, com isolamento do restante. Cirurgia irreversível.    

 

 

 

 

Banda Gástrica – anos 90

Banda Gástrica Aplicação de uma banda próximo ao cárdia, permanecendo ampulheta de 50 a 70 cm³ ligado ao restante do estômago. Cirurgia reversível.    

 

 

 

 

Balão Gástrico – anos 90

Balão Gástrico Aplicação intra-gástrica, via endoscópica, de um balão preenchendo grande parte do estômago, desencadeando aumento da saciedade. Procedimento reversível.

Observação:

Quando o balão é retirado do estomago a maioria dos pacientes voltam a ganhar peso (o balão só pode permanecer no estomago do paciente por um período de 6 meses).  

 

 

 

Cirurgia Duodenal Switch – anos 90

Técnica Duodeno Switch Ressecção de 90% do estômago deixando a pequena curvatura, permanecendo de 190 a 250 cm de intestino, isolamento do restante. Cirurgia irreversível.    

 

 

 

 

Cirurgia Sérgio Santoro – ano 2000

Técnica Sérgio Santoro Payne modificada com ressecção do "omentum" (epiplon) maior, ressecção da maior parte do estômago e ressecção de aprox. 80% do intestino, permanecendo apenas 300 cm. Cirurgia irreversível.  

Apresentada no Congresso: Cong. Bras. de Cirurgia Março de 2005